Este é o meu espaço... e o de tod@s aquel@s... Que as suas as vidas são movidas por desafios! Que acreditam que um mundo melhor é possível! Que acreditam em UTOPIAS... por isso vamos UTOPIAR!

.posts recentes

. Autarquia promove Camp...

. Já tens a tua Agenda 2010...

. 20 de Março de 2010- Vamo...

. Yike Bike...

. BIBLIOTECA DIGITAL GRATUI...

. Filósofo Lipovetsky defen...

. O hipnotizador

. Jardim Botânico de Coimbr...

. Os dez mandamentos para e...

. Hoje comemora-se o Dia Na...

.arquivos

. Junho 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

Obama: the Day After


A magia e o simbolismo da eleição do Presidente Obama varreram o mundo como um cometa. O clarão da esperança, da vitória contra o racismo, da oportunidade da paz foi tão intenso que, por momentos, o mundo pareceu reconciliado consigo mesmo. Foram momentos breves, mas deram para imaginar a utopia de uma sociedade mais democrática, sem preconceitos raciais, centrada na busca da paz e da justiça social. Como todas as luzes muito fortes, o clarão cegou-nos para a realidade que estava sentada ao lado da imaginação em pose tão sedutora. No preciso momento em que o mundo assistia comovido ao discurso de aceitação de Obama na noite de 4 de Novembro, uma festa de casamento no norte do Afeganistão era destruída pelos bombardeiros não tripulados dos EUA, deixando no solo de sangue e roupa de festa quarenta cadáveres. Foi o sexto casamento destruído assim desde a invasão do Iraque.
À medida que o clarão se esvai, o mundo respira e prepara-se para um período de alguma suspensão entre as frustrações que se seguem às grandes expectativas e a necessidade de não fazer juízos precipitados. O mundo a que me refiro não é todo o mundo; não são, por exemplo, os racistas que estão à espera do primeiro sinal para gritar: "os negros não sabem governar"; são os cidadãos dos EUA e de todo o mundo que na noite da eleição rejubilaram com a possibilidade de um mundo melhor. São a esmagadora maioria da espécie humana, mas o seu poder não é proporcional ao seu número.
Na área da segurança e da guerra, os motivos de optimismo são: encerramento da base de Guantánamo; abolição da tortura; revogação de cerca de duzentos decretos presidenciais que fizeram dos EUA um Estado autoritário, no plano interno, e um Estado pária, no plano internacional; regresso da diplomacia e do multilaterismo. Os motivos de preocupação são, antes de tudo, a guerra. Cumprirá Obama a promessa de retirar as tropas do Iraque em dezasseis meses? A proposta de promover um acordo entre a Índia e o Paquistão sobre o território de Cachemira (sem consultar os seus habitantes, claro) a fim de o exército paquistanês ficar mais disponível para combater os Taliban, além de irrealista, corre o risco de transformar o Afeganistão na guerra de Obama, tal como o Iraque foi a guerra de Bush. Se Ossama bin Laden é, de facto, o inspirador do terrorismo, só os Talibans o poderão entregar e para isso há que negociar com eles, o que não é possível se eles continuarem a ser o inimigo, apesar de controlarem o poder local de mais de metade do país e a sua maior base étnica (os Pashtuns) estar repartida entre o Afeganistão e o Paquistão. Quem pode hoje imaginar que o Vietnam tenha sido alguma vez uma ameaça comunista à segurança dos EUA? E, no entanto, em nome dela morreram 58.000 soldados norte-americanos e um milhão de vietnamitas. O que se dirá amanhã da "ameaça terrorista" do Iraque e do Afeganistão?
No plano internacional não é seguro que Obama realize a grande viragem no sentido do respeito pelos povos com interesses divergentes dos das multinacionais dos EUA, nem que dê prioridade às boas relações com a Rússia, agora que se sabe que a Georgia foi activamente induzida a invadir a Ossetia do Sul para provocar a invasão russa, donde se esperavam dividendos para a campanha de McCain; agora que se sabe que a instalação de mísseis a 800Km da fronteira russa foi uma provocação premeditada dos neoconservadores.
No plano da economia, a dimensão da crise que se aproxima ainda está por averiguar e a capacidade de manobra de Obama é pequena. Tal como sucede em Portugal, vai recorrer ao investimento público para travar o desemprego. Mas aproveitará a oportunidade para construir um "capitalismo de rosto humano", tal como fez Roosevelt na crise de 1929 e Reagan e Clinton desfizeram? Em Washington D.C. trabalham cerca 40.000 lobbyistas, procurando influenciar o voto de 537 representantes do povo para que tal não aconteça.

 

(Publicado na Revista Visão;2008)

 

O sonho voltou a ser (re)animado...

... espera-se um novo ciclo para o mundo.

Yes, we believe!

 

tags:

publicado por DesafiarTe às 10:03

link do post | comentar | favorito

.DesafiarTE

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds